Vitor Gaspar avisa: Prepare-se para o pior cenário

Um ex-ministro e diretor do FMI diz que os governos “não devem retirar o apoio ao orçamento prematuramente”, mas alertou contra déficits e dívidas.

O peso da dívida pública e do défice orçamental (em função do PIB) vai ser muito superior ao previsto, esta semana, alertou o ex-ministro das Finanças de Portugal, Vitor Gaspar, no Fórum do Banco Central Europeu.

Em seu comentário, o atual diretor de assuntos orçamentários do Fundo Monetário Internacional (FMI) explicou que a situação econômica e orçamentária da grande maioria dos países se deteriorará significativamente antes de melhorar.

Gaspar apontou o dedo para a segunda onda de Covid-19. Ele disse que os riscos para a economia e o emprego são reais e crescentes. E as dúvidas são enormes novamente.

O responsável não mencionou a fermentação da recessão no Ocidente (duas quedas muito perigosas do PIB devido às duas ondas da epidemia e às restrições subsequentes), mas deixou pistas nesse sentido. Isso parece estar acontecendo de acordo com o conjunto de dados e análise de um economista do Fundo Monetário Internacional.

Na última previsão do Fundo Monetário Internacional para quase 200 economias no mundo, a recessão é um grande marco para 2020, mas 2021 agora parece mais ambíguo. Pode ser pior do que você pensa.

Cenários alternativos

Gaspard se referiu às últimas e mais recentes projeções para a atividade econômica e as contas públicas, mas disse que devemos começar a “pensar em cenários alternativos”.

Existe um cenário tão básico e central, mas “infelizmente alguns riscos já se materializaram”. O pior cenário está tomando forma.

O ex-ministro do PSD-CDS, que implementou o Programa de Ajustamento da Troika entre 2011 e 2014, observou que “pelo lado positivo, o crescimento superou as expectativas no terceiro trimestre de 2020”.

READ  A vacina contra gripe pode prevenir sintomas graves de covid-19

“Restrições parciais foram adotadas em muitos lugares” e “as respostas do orçamento público para apoiar as condições de vida levarão a aumentos significativos nos déficits e dívidas”. Ele concluiu: “A atividade econômica e o emprego também serão afetados negativamente.”

Gaspard disse ao público hipotético do fórum que “altos níveis de dívida pública não são a ameaça direta na zona do euro” e, portanto, aconselhou os formuladores de políticas “a não retirar o apoio ao orçamento prematuramente”.

Gaspard está de volta na defesa do investimento público para ajudar as economias nesta fase difícil. Exigiu que os fundos disponíveis (fundos europeus e juros altamente reduzidos do Banco Central Europeu) sejam utilizados de forma “produtiva” e que tudo seja feito com “transparência e responsabilidade”.

Written By
More from Arzu

O Mac mini também terá o M1 e só vai ficar melhor

A gama completa de computadores Apple receberá as novidades em um futuro...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *