US Pressures OTAN – Biden e OTAN: Friendly, Ruthless Tone in Business – News

Contente

A pressão sobre os Estados membros da OTAN, que investem relativamente pouco em defesa, continua alta. Isso foi mostrado em uma reunião de ministros da defesa da OTAN. É claro que o governo Biden apela aos europeus para que se empenhem mais. Ela é muito mais amigável do que Trump.

O alívio pode ser ouvido pelo Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, e lido em seu rosto. Na sua primeira reunião ministerial da OTAN desde que o presidente dos EUA Joe Biden assumiu o cargo, ele falou de um novo capítulo nas relações entre a Europa e a América do Norte.

Meta: 2% do PIB

O novo Secretário de Defesa dos Estados Unidos e Chefe do Pentágono, Lloyd Austin, confirmou que Biden está muito interessado em fortalecer as alianças e parcerias dos Estados Unidos mais uma vez. Isso foi depois que Trump o enfraqueceu significativamente politicamente com sua falta de força vinculante.

No entanto, mesmo sob Biden, a pressão dos Estados Unidos continua alta sobre os países parceiros da OTAN que não cumprem a meta da aliança de gastar pelo menos 2% do PIB com as forças armadas. Deve ser alcançado até 2024. Foi isso que os próprios Estados-Membros elogiaram na sua cimeira no País de Gales, há seis anos.

Não há ameaça dos Estados Unidos

Mas Alemanha, Itália e muitos outros países ainda são esquivos. Enquanto isso – após anos de desarmamento – o orçamento militar da OTAN foi aumentado novamente em espantosos US $ 190 bilhões. Mas os EUA e Stoltenberg alertam: mais é necessário à luz da situação global extremamente tensa.

READ  A nursing home in Belgium threw a holiday party. It resulted in 27 deaths from the Coronavirus.

O que é novo – e importante como sinal político de coesão – é que o governo Biden, ao contrário de Trump, não vincula sua demanda à ameaça, caso contrário os Estados Unidos podem virar as costas à aliança militar.

Distribuição justa não apenas financeiramente

A OTAN também busca maior equidade e divisão de encargos em outros lugares: se os países da OTAN já ofereceram soldados e armas para operações militares, eles próprios devem arcar com a maior parte dos custos – por exemplo, nos países do Báltico, Mediterrâneo ou do Mar Negro.

No futuro, essas operações serão financiadas principalmente pelo orçamento da OTAN. Isso significa: Quem fornece as tropas não deve arcar com os custos. Se você não fornecer um, pelo menos será solicitado a pagar.

Resumindo: agora que os Estados Unidos da América, como o membro mais importante, são novamente mais previsíveis, a OTAN encontra-se novamente em águas um tanto mais calmas e pode, portanto, olhar cada vez mais para a frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *