Stuttgart deixa o Brasil após 18 anos: o rapper Rio recomeça em casa – Stuttgart

Bernhard Weber Rosa, de Stuttgart, conhecido no Rio de Janeiro como MC Gringo desde 2002, voltou à Alemanha com sua esposa Danielle, filha Lien e filho Maurice. Foto: Weber

Bernhard Weber fez música nas favelas do Rio por 18 anos, foi exposto ao crime de gangues e contratou a Corona. Agora o cara de Stuttgart voltou para casa com sua família e sonha em fazer carreira musical com sua filha.

Stuttgart – “Pessoal, estou de volta!” É assim que Burney se reporta a amigos em Stuttgart. Era 2002 Rosa Bernard Weber, Que estava com o duplo nome desde o casamento com uma afro-brasileira, mudou-se para o Rio. 2002, foi o ano em que a Alemanha derrotou o Brasil por 2 a 0 na final da Copa do Mundo em Yokohama, quando o jornalista cultural independente comemorou com os brasileiros em um bar latino no edifício Metropole como o único alemão de cabelos loiros não muito longe de um palácio e a República finalmente vestiu a camisa do Campeonato Mundial.

Nessa noite histórica, ele bateu um papo com uma brasileira, como disse no podcast “The Flamingo Tour”. Amigos de Feuerbach viram isso e o chamaram de “traidor”. Mas Webber sabia que seu coração estava ultrapassando o brasileiro – mesmo sendo 150 por cento torcedor da seleção alemã, naquele dia poderia ser até 200 por cento e seus torcedores no FB e no Kickers ao mesmo tempo.

O amor o abraçou forte – seu primeiro casamento o seguiu novamente

Jens, o percussionista da banda latina que o fã de futebol conheceu em um show com seu amigo Flo Donner em Zapata, mudou-se para o Brasil e convidou “Burnie” para passar as férias. Em sua cidade natal, ele ganhou um concurso de DJ, interpretou DJ Mouse e foi eleito por uma revista da cidade como o homem mais bonito de Stuttgart, mas as coisas não correram bem para ele. Uma pausa na América do Sul seria bom para ele. O menino voou de Feuerbach para o Rio em 2002 – e ficou por 18 anos. O amor o prendeu com força. Seu primeiro casamento aconteceu novamente.

READ  Miguel Oliveira (KTM): Treino Especial em Portugal / MotoGP

Como músico e DJ estuprou sob o nome de MC Gringo nas favelas do Rio, conquistou dois sucessos, morou no topo de uma favela, sofreu violência e crime de gangue, testemunhou drogas e frustrações, além de desejo de vida e esperança. O garoto loiro se tornou uma estrela da mídia. Apresentado por estações de TV alemãs, Mas também um “espelho” Outros jornais importantes queriam contar a história de um morador de Stuttgart que se tornou um cobiçado guia de favela para turistas alemães que, em sua luta pela sobrevivência, não tinha dinheiro para visitar sua terra natal alemã. No Rio, Weber Rosa contratou Corona – assim como esposa e filhos. “Só percebi isso porque, de repente, sou capaz de comer tomates de que não gostava antes”, diz ele, “não tinha paladar”.

Guia da cidade para excursões no Spree em Berlim

Prometer uma empresa de navegação em Berlim era como ganhar na loteria da sorte. Weber se candidatou a um emprego anunciado online como guia da cidade na Spree Tours – e foi aceito! “Nas favelas, tinha vergonha do que esperava de uma família”, diz ele. Weber se mudou para Berlim em agosto passado com seu enteado de 15 anos (“Ele é como meu filho”) e sua filha de dez anos. Até o bloqueio, Berlin explicava aos turistas que fazem três passeios de barco por dia “com grande piada”. “Há muitos residentes da Suábia”, disse o homem de 50 anos. “Eles ficam felizes quando falo sobre a Suábia.”




Fechado, ele recebe os benefícios de trabalhar por pouco tempo e anda de bicicleta a comida brasileira, que é preparada por um ente querido. Dona Danielle é afro-brasileira, por isso se sentiu tão xenófoba no Rio. “O Brasil é um país muito racista”, diz Weber, que sempre foi o melhor amigo de Kevin Kourani. “Neukolln, onde moramos, é um paraíso em comparação.”

READ  Sinal e telegrama sobem após mudança na política do Whatsapp - DNOTICIAS.PT

Com a filha Lian compôs a música da Umbanda

O fato de seus filhos agora falarem alemão incluía “momentos de felicidade” para o pai. Ele sempre quis que as crianças conhecessem sua terra natal. Talvez a filha de dez anos Lian tenha herdado seu talento musical. Com ela, Gringo de Janeiro faz a música da umbanda, uma religião afro-brasileira natural cujos ritmos deram origem ao samba. Assim que Corona permitir, pai e filha querem se apresentar juntos. Além disso, Börni está arrecadando fundos para o projeto de futebol Favela Friends, que promove talentos no Rio.

Ele se lembra de seu passado em Stuttgart em um podcast – Diversão para todos que viram o Triângulo das Bermudas em Metropole há 20 anos e ainda adoram o Zoom Zoom e o vendedor de batatas fritas com um braço só! As emissoras de TV o derrubaram porque queriam filmar seu retorno à Alemanha e os problemas relacionados a ele. Problemas? Burnie balança a cabeça. Sua coragem e seu desejo pela vida são sempre mais fortes!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *