Sondagem: Socialistas estão perto da maioria absoluta em Portugal | Boletim de Notícias

LISBOA (dpa-AFX) – O primeiro-ministro socialista de Portugal, António Costa, espera conquistar a maioria absoluta dos assentos no parlamento pela primeira vez nas novas eleições de 30 de janeiro. De acordo com um inquérito realizado pela Universidade Católica de Lisboa e divulgado esta quinta-feira, 39 por cento dos eleitores pretendiam votar no Partido Socialista na segunda semana de janeiro. Isso aumentará a potência para 113 assentos. Para uma maioria absoluta, são necessários 116 dos 230 lugares da “Assembleia da Repblica”.

O PS melhorou 1 ponto percentual em relação à última pesquisa do início de janeiro. Enquanto isso, o adversário mais sério, o Partido Social Democrata, de tendência conservadora, liderado pelo principal candidato Roy Rio, caiu de 32% para 30%. O Bloco de Esquerda Marxista (BE) e os populistas de direita Chega seguem uma grande distância, seis por cento cada. A pesquisa foi realizada pela emissora de televisão estatal RTP e pelo jornal popular “Pblico” e é considerada altamente confiável.

Costa governa com um assento minoritário no Parlamento desde 2015. Nas últimas eleições no outono de 2019, seu Partido Social Democrata ganhou mais do que seu partido de tendência socialista, com 36,3% e conquistou 108 assentos. Nos últimos anos, o Partido Socialista tem sido apoiado por partidos de esquerda. Mas na votação do projeto de orçamento para 2022, esses partidos, assim como a oposição conservadora, votaram contra por unanimidade no início de novembro. Assim, o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, convocou novas eleições.

Bloco de Esquerda BE, os comunistas (PCP) e os Verdes (PEV) pediram mais gastos sociais no orçamento de 2022 com o objetivo de obter bilhões em ajuda ao coronavírus da União Europeia. No entanto, Costa não quis abrir mão de sua política de gastos cautelosa./er/DP/he

READ  China na América Latina: para ficar | América - Últimas notícias e informações | DW

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Rede Piauí