Reunião da OTAN – os EUA voltam a abraçar seus aliados – também pode prejudicar – as notícias

Contente

Na primeira reunião da OTAN como Secretário de Estado dos Estados Unidos em Bruxelas, Anthony Blinken elogiou o trabalho da Aliança de Defesa Transatlântica, prometendo aos seus homólogos o compromisso e lealdade para com a aliança – mas também apresentou uma longa lista de expectativas.

Por exemplo, sobre a questão do Nord Stream 2. O gasoduto quase concluído, que em breve transportará gás natural russo para a Alemanha, é uma “má ideia”, como Blinken, um proeminente diplomata dos EUA, disse de forma pouco diplomática. Mais do que isso: o gasoduto não é nem mesmo do interesse da Alemanha, os Estados Unidos vão considerar novas sanções contra o Nord Stream 2.

Os Estados Unidos afirmam sua reivindicação de liderança

A mensagem é clara: com o novo presidente Joe Biden e seu governo, a OTAN deve ser a mesma que tem sido para os Estados Unidos há décadas – um componente central da política externa e a aliança defensiva mais importante. Mas também uma organização em que os Estados Unidos dão o tom. Os Estados Unidos estão abraçando seus aliados mais uma vez, mas abraçar às vezes dói também.

As dúvidas sobre a importância da OTAN, que Donald Trump plantou silenciosamente e depois em voz alta na era do ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama: é história hoje. Os parceiros da América na OTAN – Canadá e 28 países europeus – devem poder contar com a aliança em caso de conflito sem condições ou reservas, e devem ser informados e ouvidos com antecedência sobre questões importantes, mas os Estados Unidos da América também devem ser reconhecidos como a potência principal.

READ  Não há Corona nestes casos: bons procedimentos ou um bom encobrimento?

Claro, isso não significa que os conflitos antigos desapareçam e que novos conflitos sejam programados. Porque a OTAN, com seus 30 membros, ficou sobrecarregada. Para onde quer que você olhe, as diferenças se abrem. Para o Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, a Rússia continua a ser a principal ameaça – e portanto a razão da sua existência – a Aliança. No entanto, a Alemanha quer comprar mais gás natural russo por meio do Nord Stream 2 e a Turquia solicitou armas russas em grande escala.

OTAN procura reorganização

Em geral, a Turquia causou repetidamente conflitos violentos dentro da OTAN e, no ano passado, houve a ameaça de um confronto militar com seus aliados França e Grécia. Muito precisa ser fortalecido pela velha e pela nova potência líder nos EUA. Especialmente porque hoje Blinken enfatizou os valores comuns dos países da OTAN, bem como o dever de fornecer assistência.

Os Chefes de Estado e de Governo pretendem implementar uma nova estratégia, “NATO 2030”, até ao final do ano. Se os Estados Unidos conseguirem o que quer, a Otan deveria prestar mais atenção à China no futuro. Aliança Transatlântica com os Estados Unidos na Competição Transpacífica com a China: Nem todos os países da OTAN ficariam satisfeitos com este ajuste.

We will be happy to hear your thoughts

      Leave a reply

      Rede Piauí