Relatório do Fórum Econômico Mundial – Igualdade: Suíça entre as melhores do mundo – Notícias

  • A Suíça subiu para os dez primeiros em termos de igualdade entre homens e mulheres.
  • Isso é evidente no Índice de Igualdade do WEF.
  • No entanto, a Corona 2020 restaurou a igualdade entre mulheres e homens por décadas em todo o mundo.

Pelo décimo segundo ano consecutivo, a Islândia permaneceu no topo do ranking global de igualdade de gênero. É seguido pela Finlândia, Noruega, Nova Zelândia, Suécia, Namíbia, Ruanda, Lituânia e Irlanda. A Lituânia deu um salto gigante do 25º lugar para o 8º lugar este ano.

A Suíça completa os dez primeiros e melhorou oito lugares. Este resultado é atribuído principalmente aos avanços alcançados a nível político, com destaque para o aumento do número de mulheres eleitas para o Parlamento. A Suíça já estava entre os dez primeiros em 2015.

Ainda há alguma atualização na Suíça

Em termos de participação profissional e oportunidades econômicas, a Suíça ainda não o alcançou, caindo cinco posições para 39. O relatório destaca o baixo número de mulheres gerentes, o fato de haver muito mais mulheres do que homens trabalhando em meio período e o insuficiente duração da licença de maternidade e paternidade. A Suíça ocupa o 80º lugar em educação e 128º em saúde.

O tempo necessário para alcançar a igualdade foi estendido por mais de uma geração devido à pandemia Covid-19, o Fórum Econômico Mundial (WEF) publicado quarta-feira um estudo O link abre em uma nova janelaEscreve.

135,6 anos para igualdade

Já em 2019, o Fórum Econômico Mundial previu que, se as tendências permanecerem as mesmas, levará 95 anos para atingir a paridade. Após os desenvolvimentos devastadores de Corona é agora 135,6 anos. As mulheres ainda enfrentam obstáculos na vida econômica e na participação política. Para muitos, permanecer com a família na vida profissional ainda pode ser um desafio.

READ  Coronavírus: o bloqueio será estendido na Alemanha até 18 de abril

A pandemia atingiu as mulheres principalmente porque elas estavam acima da média nos setores afetados pelas restrições, de acordo com o Fórum Econômico Mundial. Além disso, a família, assim como os cuidados com as crianças ou os idosos, ficavam desproporcionalmente presos às mulheres.

É por isso que mais investimentos são necessários no setor de cuidados. Os políticos devem garantir que homens e mulheres possam cuidar igualmente das tarefas de cuidado. Deve haver mais treinamento para mulheres em meio de carreira e diretrizes para prevenir a discriminação na contratação e promoção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *