O mundo Covid de cabeça para baixo: Enquanto tememos, Brasil e Suécia festejam

O mapa de Corona está de cabeça para baixo, pelo menos do ponto de vista dos alemães que achavam que as coisas estavam indo bem em seu país e que as coisas estavam muito ruins em outros lugares, como Brasil e Suécia.

Números sérios atualmente permitem a conclusão oposta: no Brasil, que foi repreendido por sua política Corona, a taxa de infecção no final da semana era de 27 casos por 100 mil residentes em sete dias. E isso apesar do fato de que a taxa de pessoas totalmente vacinadas em 60 por cento não é impressionante. Nada impede o Carnaval carioca.

Mercados de Natal na Suécia, Carnaval no Brasil: o “mundo da Corona” de repente virou de cabeça para baixo?

Um quadro semelhante na Suécia: o número médio de novas infecções é tão baixo quanto 62, e a taxa de vacinação é pouco menos de 70 por cento. Nada impede o mercado tradicional de Natal em Gamla Stan, o centro histórico de Estocolmo.

Na Alemanha, com uma média de 373 novos infectados, a situação parece muito pior, com os mercados de Natal e as reuniões de carnaval sendo cancelados, respectivamente. Como o Brasil e a Suécia, entre todos os lugares, estão progredindo na luta contra a nova onda Corona?

Há um ano, o animado Rio de Janeiro era uma cidade fantasma: a mundialmente famosa praça, o Sambódromo dos Mortos, estava deserta. O carnaval, por outro lado, é um símbolo da alegria de viver: extraordinário. Mas agora a vida está voltando em toda sua glória: a Câmara Municipal do Rio de Janeiro anunciou que nesta sessão serão mais de 500 “quarteirões” – são os trens de bairro populares para o carnaval de rua, para os quais vêm centenas de milhares.

READ  30 melhores avaliações de cangaço testado e qualificado

No Rio, o último paciente com corona teve alta hospitalar

“Acho que o Carnaval de 2022 será uma reciclagem de emoções”, disse a professora de samba Savia David em entrevista a um repórter do jornal Augsburger Allgemeine. O homem da Bavária atingida pela Coroa relatou com admiração no Rio, onde, de acordo com o portal de mídia “Brasil de Vato”, 90 por cento das pessoas com mais de 18 anos estão totalmente imunizadas. Nas grandes cidades do Brasil, e esse é um dos motivos da baixa incidência, a taxa de vacinação é alta. E funciona: no Rio de Janeiro, o último paciente de um hospital para coronavírus teve alta na semana passada. São Paulo, uma das maiores cidades do mundo, não relatou nenhuma morte por coronavírus neste fim de semana pela primeira vez em muito tempo.

Foi uma sensação e tanto, dadas as mais de 610.000 mortes pela pandemia no Brasil até agora. A proporção de pessoas que contraíram a doença e morreram é de 2,8%. O número de mortes e novas infecções está agora no mesmo nível do início da pandemia, e tudo isso apesar do presidente ainda se manter cético sobre a vacinação: Jair Bolsonaro é um dos que se recuperou e, portanto, considera isso desnecessário se defender para se vacinar.

Die Tatsache, dass das Virus in den vergangenen Monaten stärker wütete als anderswo und viele Genesene und damit viele immunisierte Menschen hinterlassen hat, aber auch der Umstand, dass Brasilien auf den Hochsommerk in züstüert, singertende zusteuert, singertende-zusteuert, singertende-zusteuert. No entanto, o Brasil também oferece uma vacina de reforço para todas as pessoas com 18 anos de idade ou mais. “Cinco meses após a segunda dose, qualquer pessoa pode ir ao posto de vacinação”, disse o ministro da Saúde do Brasil, Marcelo Quiroga.

READ  30 melhores avaliações de serum facial testado e qualificado

De repente, os brasileiros olham para a rica Europa com espanto

Agora os brasileiros olham com espanto para a Europa, que é muito mais rica e onde foi inventada uma das vacinas mais eficazes. Eles não conseguem entender que a Alemanha ou a Áustria estão indo tão mal. Você mesmo é um otimista. O carnaval estará de volta às ruas nas próximas semanas. Por muito tempo, as pessoas ficaram confinadas às suas quatro paredes. Algo assim deixa você deprimido. “O carnaval elimina a depressão das pessoas”, diz a rainha do samba Savia David.

A Suécia tem ‘apenas’ 30 pessoas em cuidados intensivos – mas isso não é por causa da taxa de vacinação

A situação também foi amenizada na Suécia, que os alemães há muito vêem com suspeita devido ao regime frouxo do Corona. No país de cerca de 10,2 milhões de pessoas, “apenas” cerca de 30 pacientes com Covid 19 atualmente requerem tratamento intensivo. Os números permaneceram baixos desde o verão. Não por causa da cota de vacinação. Em cerca de 69 por cento, dificilmente é mais alto do que na Alemanha. No entanto, tanto na Suécia quanto no Brasil, o número de pessoas já infectadas com a corona é quase o dobro do número de infectados na Alemanha, cerca de 12%.

Por causa do melhor sistema de saúde em comparação com o Brasil, muito menos pessoas infectadas morreram na Suécia. A suposta taxa de mortalidade é de 1,3% e, portanto, muito menor do que na Alemanha, onde é de 1,9%. Todas as medidas e recomendações para o Corona foram suspensas na Suécia desde o final de setembro. Todos podem entrar em clubes, cinemas, bares e restaurantes. Os dados pessoais não são registrados, não há lacunas entre as tabelas – até o momento, não é necessário apresentar certificado de vacinação. Tendo em vista a cota, não há previsão de base 3G e nem 2G.

READ  O EHF EURO 2028 decorrerá na Suíça, Espanha e Portugal

Fator: “imunidade de rebanho”

Os exemplos sugerem que a chamada “imunidade de rebanho” é um fator crítico para superar a crise. No entanto, o muito criticado epidemiologista sueco-chefe, Anders Tegnell, não considera que isso seja compreensível. “A luta pela imunidade coletiva não é ética e não pode ser justificada de outra forma. Mesmo que os jovens tenham doenças menos graves e morram com mais frequência – ainda pode acontecer”, disse Tegnell em uma entrevista.

Depende da vacinação. “Agora temos que vacinar o máximo de pessoas possível. Principalmente as camadas mais vulneráveis ​​da população. É a única forma de controlar a epidemia. Todas as outras medidas podem ajudar um pouco. Mas são as vacinas que fazem a verdadeira diferença. ”

* Artigo intitulado “O mundo errado de Corona: Enquanto Tememos Brasileiros e Suecos Celebram Festas”, por uma editora Bolsa econômica. Contate o responsável Aqui.

Rede Piauí