Brasil registra 483 mortes por COVID-19 em 24 horas | Notícias e análises dos fatos mais importantes do Brasil

De acordo com o Conselho Nacional de Ministros da Saúde (CONAS), o Brasil registrou oficialmente 483 mortes ligadas à Covid-19 no sábado (16 de outubro).

Além disso, foram confirmados 11.250 novos casos da doença. Como resultado, o número total de infecções notificadas no país atingiu 21.638.726, e o número total de mortes oficialmente registradas foi de 603.152.

No entanto, muitas agências governamentais e instituições de saúde alertam que os números reais devem ser maiores devido à falta generalizada de testes e relatórios insuficientes. Os números tendem a cair nos finais de semana.

A média móvel de novos óbitos (a soma das mortes nos últimos sete dias e dividindo o resultado por sete) é de 332 e a média móvel de novos casos é de 10.221.

A taxa de mortalidade por grupo passou de 100.000 pessoas para 287 no Brasil, a oitava mais alta do mundo, depois de alguns pequenos países europeus e do Peru.

Em termos absolutos, o Brasil é o segundo maior país do mundo com o maior número de mortes depois dos Estados Unidos com mais de 724.000 mortes, mas sua população é muito maior. Continua a ser o terceiro país em termos de número de casos confirmados, depois dos Estados Unidos (44,9 milhões) e da Índia (34 milhões).

Kunas não fornece informações sobre o número de recuperadores. De acordo com o Ministério da Saúde, 20.773.826 pacientes no Brasil se recuperaram da doença até a noite de sexta-feira.

No entanto, o governo não revelou quantos se recuperaram e quem ficaram com outras consequências ou impactos de longo prazo. A forma como o governo anuncia o número de “recuperados” já foi criticada por cientistas que classificaram o número como enganoso, por indicar que os infectados estarão completamente livres após a fase aguda ou após a alta hospitalar e se recuperaram da a doença. .

READ  Até agora não há nenhum brasileiro convertido em Wolfsburg

Estudos no exterior estimam que entre 10 e 38% das pessoas infectadas sofrem os efeitos do “Covid-19” meses após o vírus deixar o corpo. Um estudo alemão indicou que as consequências podem ocorrer meses após a fase aguda da doença. Uma pesquisa conduzida pela University College London em 56 países registrou mais de 200 sintomas observados em pacientes com sequelas pós-virais.

No total, mais de 240,3 milhões de casos de infecção foram registrados em todo o mundo desde o início da epidemia. E 4,89 milhões de mortes pela doença também foram confirmadas, segundo estatísticas da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos da América.

ek (ots)

We will be happy to hear your thoughts

Leave a reply

Rede Piauí