A presidência. Dia da eleição acompanhado do minuto

Acompanhamos aqui os principais acontecimentos deste Domingo, Dia das Eleições Presidenciais – desde a votação à votação e as reacções de personalidades políticas no programa especial da RTP.

Mais atualizações

11h45 – Thiago Mayan diz que as listas de espera “são um sinal de que os portugueses vão aderir a esta eleição”

O candidato apoiado pela iniciativa liberal mostrou confiança na afluência, dizendo que as filas “são um sinal da adesão dos portugueses a esta eleição.

Eleito Thiago Mayan Gonsalves na Universidade Católica do Porto. Ele diz que demorou pouco mais de 30 minutos na fila. O candidato disse aos portugueses: “Não tenham medo, as coisas vão bem”, apelando a “não tenham medo” e votem.

“É seguro votar”, disse Thiago Mayan. “Apesar das linhas, tudo é fluido”, acrescentou.

“A percepção que tive foi de que, de fato, existe uma obrigação”, disse Thiago Mayan.

11h33 – Alfalade. Alguma bagunça, mas sentindo-se seguro em geral

Em Al-Valadi, onde 7.000 pessoas estão registradas, os eleitores reclamam do caos, mas há uma sensação geral de segurança. Há conformidade geral com as medidas.


11h20 – Mesa Morgade, Montalegre, fechada com travas e recipientes

A assembleia de voto da Junta de Freguesia de Morged, em Montalegri, foi encerrada esta manhã e vedada por contentores de ecopontos, informaram a Lusa fontes da junta local e do Partido Nacional Republicano.

De acordo com o presidente do conselho de administração, José Nogueira, os moradores vão voltar a protestar contra a exploração de uma mina de lítio a céu aberto na diocese de Montalegri, distrito de Vila Real, à semelhança do que aconteceu nas eleições legislativas e europeias de 2019.

Salientou que “houve um bloqueio real, com contentores de ecopontos à entrada e pedras a retirar, e agora o bloqueio está a ser mantido no sentido de que ninguém vota”.

Para José Nogueira, esta é “mais uma forma de protesto que as pessoas têm e o direito de saber se estão a ser ouvidas de forma activa”.

READ  Giswaldo sem duas vagas na partida contra o Sporting: "Vamos supor que não tivemos sorte ..." - Boavista

Uma fonte da GNR em Villa Real disse à Lusa que a porta de entrada do edifício onde se encontra a assembleia de voto naquele local sofreu uma tentativa de bloqueio, inclusive com a utilização de cadeados.

Segundo a mesma fonte, “não houve acidentes e o horário de abertura do encontro foi confirmado”.

11h10 – “Eu vi muitas pessoas e muita organização.” Marisa Matthias garante que o voto é seguro

A candidata Marisa Matias já exerceu o seu direito de voto no Pavilhão Mário Mixia em Coimbra. A candidata presidencial apoiada pelo bloco De Escirda diz que esteve na fila para a votação durante os 40 minutos em que viu “muito comparecimento e organização”.

Marisa Matthias apelou a todos os portugueses para irem às urnas. “A votação é segura”, disse um dos sete candidatos presidenciais.

10h47 – Farrow. Ligeira confusão com o acesso às assembleias de voto

Em Faro, surgiram algumas ambiguidades iniciais quanto ao acesso às assembleias de voto.

O correspondente da RTB, Duarte Baltazar, indicou que o comparecimento foi normal para a lei eleitoral.

10h34 – Jeronimo de Souza diz que “não há conflito” entre a votação e a pandemia

O Secretário-Geral do Congresso do Povo já votou a favor de Santa Iria da Azoya em Lloris. Geronimo de Souza admite que é “normal” ter um “sentimento de insegurança” devido a uma epidemia que leva à não participação na lei eleitoral, mas garante que “vale a pena votar”, argumentando que todas as medidas de segurança e saúde devem ser cumpridas.

Em resposta a uma pergunta sobre se não é contraditório submeter um recurso à votação em um momento em que o país está em limitação, o Secretário-Geral do Partido do Congresso do Povo afirmou que “não há contradição no exercício de um direito fundamental”.

READ  Portugal regista quebra nos últimos anos para novos diagnósticos de VIH

Jeronimo de Souza conclui que “a melhor forma de defender, cumprir e implementar a Constituição é permitir que os portugueses votem”.

22h10: Francisco Rodriguez dos Santos deixa recurso de voto na Segurança

O líder do CDS-PP foi a primeira figura política proeminente a votar no domingo. Francisco Rodriguez dos Santos votou pouco antes das 10 horas no Liceu Lumiar, em Lisboa, e deixou um apelo à votação.

“Esta eleição presidencial é um acto decisivo na vida do nosso país e no nosso futuro colectivo”, afirmou, referindo que o país já sofre de instabilidade devido à epidemia de Covid-19.

Al-Wasati revelou que viu um comparecimento maior do que o normal na área de votação.

10h05 – Coimbra. Redobrando esforços para simplificar o voto de segurança

As eleições em Coimbra decorrem bem desde a madrugada.

Devido às longas filas provocadas pelo respeito à distância social, os Presidentes da Junta de Freguesia de Santa Maria das Oliveiras esforçam-se por permitir que as pessoas com mobilidade reduzida ou outras dificuldades possam votar o mais rapidamente possível.

10h – Lisboa. A pandemia está fazendo um esforço especial para garantir a votação

Métodos diversos e bem definidos, limpeza e proteção especial para os membros das assembleias de voto.

A Junta de Freguesia de Alvalade afirma ter feito tudo para proporcionar conforto e segurança ao eleitorado.

9h55 – votação à distância social no Porto

Na Escola do Bom Suciso, no Porto, a lista de espera foi formada antes mesmo da abertura das mesas eleitorais. Tente evitar listas de espera e vote por mais segurança.


9h50 – Primeiro Ministro pede votação e respeito às medidas de segurança

Em mensagem postada no Twitter e dirigida a todos os portugueses, Antônio Costa apelou esta manhã à votação.

O primeiro-ministro também pediu que as regras de higiene sejam respeitadas quando forem votar, afirmando que existem quatro procedimentos básicos para votar com segurança: “Use focinheira; mantenha distância de segurança; desinfete as mãos, use a própria caneta”.

READ  Cinco benefícios fiscais expirarão a partir de amanhã

9h45 – dia para as urnas

Em uma nova fase de encarceramento e no contexto da pandemia COVID-19, o processo de eleição presidencial de domingo atinge seu clímax. É a décima vez numa democracia, desde 1976, que os eleitores portugueses são convidados a escolher um presidente.

A campanha terminou na sexta-feira.

Para esta eleição concorrem sete candidatos: Marisa Matias, com apoio do bloco de esquerda, Marcelo Rebelo de Sousa, candidato à reeleição com apoio da Direcção de Segurança Pública e CDS-PP, Thiago Mayan, com apoio da iniciativa liberal, André Ventura, Shiga, ex-militante do PS e dirigente RIR Vitorino Silva, também conhecido como Tino de Rans, João Ferreira, com apoio do PCP e PEV, e Anna Gomez, militante socialista com apoio do PAN e Livre.
Votação antecipada
Cerca de 80 por cento dos eleitores registrados votaram na manhã de domingo passado, de acordo com dados finais de 308 municípios divulgados pelo Ministério do Interior.Qualquer pessoa que se inscreveu para uma votação antecipada não poderia fazê-lo hoje.

Do total de 2.46880 registros, 197.903 votaram, o que é cerca de 80,15 por cento.

O objetivo da votação inicial deste ano era evitar grandes aglomerações de pessoas em face da pandemia. No entanto, o dia da votação inicial foi marcado por longas filas, especialmente nos grandes centros urbanos.

O que gerou críticas dos partidos de oposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *