19 – Como funciona o medicamento e quando é útil?

O governo federal comprou o novo medicamento Covid-19 baseado em anticorpos da Alemanha. De acordo com a Secretaria de Saúde, esses preparos são das empresas norte-americanas Regeneron e Eli Lilly, que inicialmente serão usados ​​em hospitais universitários. Como esses métodos funcionam e quando são úteis? Respondemos às perguntas mais importantes.

O que são anticorpos

Os anticorpos são proteínas – isto é, proteínas – que são criadas como parte da resposta imunológica do corpo. Em outras palavras, se você for infectado por um patógeno – por exemplo, um vírus – o sistema de defesa do corpo se torna ativo e produz moléculas de defesa dirigidas contra as estruturas distintas desse patógeno: os anticorpos. É produzido em grandes quantidades durante a infecção e é capaz de se ligar ao patógeno, neutralizá-lo e torná-lo inofensivo. Depois de uma infecção, o corpo “lembra” a aparência do patógeno para que possa responder mais rapidamente no caso de uma segunda infecção.
Se infectados com Sars-CoV-2, os anticorpos podem ser detectados cerca de duas semanas após a infecção e, na doença, cerca de uma semana após o aparecimento dos sintomas. Outro tipo de anticorpo, de acordo com as novas descobertas, foi publicado na revista Ciência, Ainda pode ser detectado no sangue de quem se recuperou por seis a oito meses.
Além de criar anticorpos, há outras partes da resposta imune que ajudam a combater o patógeno. Outros tipos de células do sistema imunológico estão envolvidos.

O que são anticorpos monoclonais?

A palavra “monoclonal” significa que todos os anticorpos se originam de um clone celular, ou seja, são idênticos. É fabricado em laboratório e é direcionado de forma muito específica contra uma marca registrada de um patógeno, como uma porção da proteína “pico” que Sars-CoV-2 usa para penetrar em células específicas do corpo. Em contraste, os pacientes com COVID-19 em recuperação têm uma combinação de diferentes anticorpos contra partes do vírus em seu sangue. Fala-se de um anticorpo policlonal. Cada tipo de anticorpo é direcionado contra uma característica específica do vírus, para que ele possa se ligar a diferentes locais.

Como os anticorpos são usados ​​como medicamento contra Covid-19?

O princípio é dar ao corpo uma vantagem no momento certo: ao administrar anticorpos, pula-se a fase de resposta imune na qual o corpo está ocupado identificando as estruturas virais características e produzindo os próprios anticorpos adequados. Em relação à epidemia de Corona, há dois preparativos conhecidos dos Estados Unidos da América, que receberam aprovação emergencial em novembro. Eles vêm das empresas Regeneron e Eli Lilly. A principal diferença: Eli Lilly contém um tipo de anticorpo monoclonal, enquanto Regeneron contém uma combinação de dois anticorpos monoclonais. A vantagem da mistura é que os pontos de ataque adicionais aumentam a probabilidade de eficácia. O ex-presidente Trump dos Estados Unidos foi tratado, entre outras coisas, pela preparação do Regeneron, que também não foi aprovada nos Estados Unidos.

READ  A ciência recomenda ter cuidado ao decodificar | NDR.de - notícias

Quais são os efeitos colaterais?

Em geral, as terapias com anticorpos são bem pesquisadas porque também são usadas para tratar outras doenças, como câncer e reumatismo. Em um estudo clínico Não houve aumento dos efeitos colaterais graves nos indivíduos tratados com Regeneron em comparação com o grupo de controle. Com Eli Lilly ele estava lá De acordo com a U.S. Food and Drug Administration Efeitos colaterais graves em dois dos 850 casos examinados. O seguinte aplica-se a ambas as formulações: Existe o risco de reações de hipersensibilidade. Além disso, ainda não há dados suficientes para fazer uma declaração final sobre o assunto. Alguns dos efeitos colaterais podem não ser conhecidos ainda.

Anticorpos e mutações de vírus

As preparações que contêm uma mistura de diferentes anticorpos monoclonais podem ajudar a prevenir mutações. Se o vírus se multiplica, tais variantes aparecem – a maioria delas não traz nenhum benefício ou mesmo prejudica o patógeno e desaparece novamente. Em casos raros, uma mutação ou uma combinação de diferentes mutações pode ter vantagens para o vírus, por exemplo, porque ele pode se espalhar mais rapidamente, como é o caso de variantes do vírus que foram descobertas pela primeira vez na Grã-Bretanha e na África do Sul. Se o vírus encontrar apenas uma “arma” altamente específica, como um tipo de anticorpo monoclonal, prevalecerão as mutações que o anticorpo não reconhece. Fala-se de pressão de seleção. A mistura de diferentes anticorpos reduzirá a chance de isso acontecer.

Por que os anticorpos não são usados ​​como tratamento padrão contra Covid-19?

Há múltiplas razões para isto. Por outro lado, não há atualmente nenhuma aprovação europeia para uma preparação Regeneron ou Eli-Lilly, e o processo de aplicação correspondente está em andamento. De acordo com a Agência Europeia de Medicamentos – em suma EMA – Ainda não. A Regeneron anunciou que solicitará a aprovação europeia da empresa farmacêutica Roche. Além disso, a terapia com anticorpos nem sempre é útil. Devido ao modo de ação, esse tratamento dá os melhores resultados, principalmente no início da doença. Então, pode prevenir o desenvolvimento de uma doença perigosa. Os dados do estudo disponíveis até agora mostram que aqueles que receberam o medicamento nos primeiros 10 dias após a infecção foram os que mais se beneficiaram com o tratamento. Os pacientes que já apresentam sintomas graves de Covid 19 – por exemplo, no hospital e recebendo oxigênio – não têm permissão para receber esse medicamento. Uma possível explicação para isso é que os sintomas graves do segundo estágio do Covid-19 são causados ​​por uma reação do sistema imunológico. O ingrediente ativo contra o vírus chegará tarde demais. Além disso, esse medicamento deve ser administrado por infusão, o que nesse caso leva cerca de uma hora e só pode ser feito na clínica. Além disso, a produção de anticorpos é complexa e, portanto, cara. O custo é estimado em cerca de 2.400 euros por dose.
Outro problema: os anticorpos são proteínas estranhas – e o que o corpo não sabe é que se decompõe: então o agente terá potência limitada – ao contrário da vacinação, por exemplo – não protege contra infecções futuras.

READ  NASA Live Stream: Watch the hot test shooting of the Space Launch System

Um caso especial de plasma convalescente

O plasma convalescente nada mais é do que o plasma sanguíneo de pacientes convalescentes. Muitas vezes contém – muitas vezes dependendo da gravidade da doença – os anticorpos produzidos pelo próprio sistema imunológico, ou seja, uma mistura de anticorpos policlonais. Se disponível, pode ser administrado a pessoas recentemente infectadas para protegê-las de doenças ou do curso de doenças graves. Neste caso, fala-se em vacinação passiva. Este tipo de tratamento foi usado várias vezes em epidemias, como o surto de Ebola de 2014 na África Ocidental. o O Instituto Paul Ehrlich considera tal tratamento uma opção potencial de tratamento Para Covid-19. No entanto, a eficácia disso ainda não foi comprovada por estudos.

(Grávida 24.1.)

Outros artigos sobre Coronavirus

nós temos Blog de notícias criado. À luz da quantidade esmagadora de informações, isso fornece uma visão geral dos desenvolvimentos mais recentes.

Desenvolvimentos atuais: Dados sobre o vírus Corona na Alemanha (Stand: 12.02.)
+ Seguro Estendido: Quais regras se aplicam e quais visualizações abertas existem? (Grávida 10.2.)
+ Novas regras: Como os países implementam as decisões de fechamento? (Grávida: 11,2.)

Teste e proteção

+ Proteção: Decreto de vacinação: quem será vacinado primeiro e quem será vacinado depois? (Grávida: 26,01.)
O termo: Como, quando e onde posso ser vacinado? (Grávida: 26,1.)
+ Biontech e Pfizer: O que se sabe sobre os efeitos colaterais da vacina Corona (Grávida: 29.01.)
+ Proteção: É o caso do desenvolvimento de vacinas contra o Coronavírus. (Grávida: 26,01.)
Eventos de infecção corona: Quão confiáveis ​​são os testes? (Grávida: 13.01.)
+ Pacientes: Novos conhecimentos na pesquisa de drogas (Grávida: 30.01.)
+ Tratamento: Como funciona um medicamento com anticorpos e quando é útil? (Grávida 25.01.)
+ Como está a situação nos hospitais? (Grávida: 21.01.)
+ Economia: Como o mundo do trabalho lida com o número de lesões (Grávida: 11.01.)

READ  The solar wind is strangely attracted to Earth's north pole, and scientists don't know why

Infecção e transmissão

+ Variante do vírus: Quão perigosas são as novas mutações do vírus Corona? (Stand: 03.02.)
Oponentes das medidas de proteção contra infecções: Qual é a relação da AfD e dos pensadores paralelos com a disseminação do Coronavirus na Alemanha? (Stand: 09.02.)
+ Transmissão: Qual é o papel dos aerossóis (Grávida: 22.01.)
+ Excesso de mortes: Quão perigoso é o vírus Corona realmente? (Stand: 05.02.)
+ Aviso de viagem: A lista atual de áreas de risco (Grávida 06.02.)
+ Eventos Principais: O que acontecerá com as Olimpíadas e o Campeonato Europeu de Futebol? (Grávida, 22.01.)
+ Esportes: Por que os clubes têm medo de sua existência (Grávida, 22.01.)

Você também pode encontrar notícias Dlf no Twitter em: Incorporar um Tweet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *