Por: Pedro Henrique Santiago
Repórter

Prefeitura quer acabar com escolas em União

Sindicato critica projeto da prefeitura e questiona falta de reuniões explicando o motivo da possível mudança

A cidade de União pode ficar sem 36 escolas municipais das 80 escolas existentes no município. O prefeito Paulo Henrique Costa informa que quer extinguir as escolas municipais para privilegiar a qualidade de ensino e a economia de dinheiro. A ideia, claro, deixa os pais e alunos temerosos com o futuro.

Algumas escolas ficam localizadas na zona rural do município, e justamente essas podem ser fechadas. O que leva temor às famílias, porque só existe essa opção nessas localidades. Em entrevista ao portal G1, a dona de casa Eliane Machado, afirma que os estudantes já enfrentam dificuldades para ter o transporte escolar. “Dizem que botam carro, mas nunca é uma coisa garantida. Tem dia que passa, tem dia que não passa”, disse a dona de casa.

Em 2014, em ato, estudantes fazem protesto em frente a Prefeitura de União cobrando uma melhor qualidade no transporte de alunos
Em 2014, em ato, estudantes fazem protesto em frente a Prefeitura de União cobrando uma melhor qualidade no transporte dos alunos / Crédito: Portal O Dia

O prefeito aponta que o projeto foi pensado após um estudo feito por uma assessoria da Prefeitura de Teresina e demonstra um cenário em que ainda existe analfabetismo nas séries maiores do ensino fundamental do município. Algumas das escolas possuem dez ou vinte alunos, o que é um argumento para a prefeitura extinguir algumas dessas escolas. “Não é só a parte financeira, mas também a parte pedagógica. Temos turmas em que o professor ensina no 1°, 2°, 3°, 4° e 5° anos juntos”, argumenta o prefeito Paulo Henrique.

prefeito Paulo Henrique Costa - União
Prefeito de União, Paulo Henrique Costa afirma que a prefeitura passa por inúmeras dificuldades financeiras / Crédito: Cidade Verde

Sindicato contesta projeto

O Sindicato dos Servidores Públicos da Educação de União contesta o projeto da prefeitura, afirmando que o executivo municipal ainda não se reuniu com a classe e nem com a comunidade para explicar todo o processo de mudança. “Muitas coisas ainda precisam ser documentadas, inclusive a matriz curricular. E o Município não senta, não diz como o processo vai acontecer [...] Com essas várias questões para serem definidas, quem garante que o ano letivo vai iniciar numa data normal?”, questiona a presidente do Sindicato Lucélia Saraiva.

Além do novo projeto, a prefeitura estaria com os salários dos servidores do atrasados. “Com o processo de nucleação e o aumento de carga horária não sabemos como vai ficar o quadro de professores, quem vai ser remanejado e como vai ser feito esse remanejamento”, declara Lucélia.

Prefeitura confirma atraso

O prefeitura de União Paulo Henrique Costa confirma o atraso nos salários dos servidores e põe culpa em uma mudança no sistema de informática. ”Está havendo aqui, em Piracuruca, em alguns municípios que estão usando esse sistema, e que está havendo esse atraso agora”, explicou o prefeito Paulo Henrique.

Notícias

MAIS NOTÍCIAS