Por: Thiago Andrade
Repórter

Bandeira vermelha na energia elétrica acelera inflação em outubro

A mudança da bandeira amarela para a vermelha estabeleceu a aceleração da inflação em outubro

Provocado em grande parte pelo aumento médio de 3,28% na energia elétrica, a inflação variou de 0,16% em setembro para 0,42% em outubro. A adoção da bandeira vermelha no mês influenciou para o crescimento no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), publicado nesta manhã pelo instituto Brasileiro de geografia e estatística IBGE. Porém, a taxa acumulada no ano (2,21%) foi a menor registrada para este período do ano desde 1998. Nos últimos 12 meses, o índice acumula alta de 2,70%.

A elevação dos preços da energia elétrica (3,28%) e do botijão de gás (4,49%), que passou por uma mudança de 12,9% na refinaria, fizeram com que Habitação marcasse a maior inflação de (1,33%) entre os grupos, sendo responsável por quase metade do índice no mês, o que resulta em , 0,21 ponto percentual.

A adoção da bandeira vermelha no mês influenciou para o crescimento no Índice de Preços
A adoção da bandeira vermelha no mês influenciou para o crescimento no Índice de Preços Foto: Marcos Alves / O GLOBO

O analista da pesquisa, José Fernando Gonçalves, falou que a mudança da bandeira amarela para a vermelha estabeleceu a aceleração da inflação em outubro. E destacou: “No próximo mês, continuará vigorando a bandeira vermelha, porém o preço da energia elétrica passará de R$ 3,50 para R$ 5,00 por cada 100 kWh”, aumentando a pressão nos preços da energia.

O grupo alimentos (-0,05%) indicou queda pelo sexto mês consecutivo, ainda que menos intensa que a registrada em setembro (-0,41%). A deflação deveu-se à dimunição de 0,74% no preço médio dos alimentos para consumo em casa, com quedas no feijão mulatinho (-18,41%), alho (-7,69%), açúcar cristal (-3,05%), entre outros produtos. A alimentação fora de casa, por sua vez, deve um acréscimo de 0,16%.

Notícias

MAIS NOTÍCIAS